terça-feira, 15 de outubro de 2013

A FARSA DO "MAIS MÉDICOS" E AS INCOERENCIAS DO MINISTRO ALEXANDRE PADILHA

O primeiro ''Erro Médico" cometido por um profissional desqualificado, que  o Ministério da Saúde não conseguiu esconder das Redes Sociais, mostrou o quanto esse programa é canalha, bem como seus idealizadores e executores.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, tem demonizado o CFM (Conselho Federal de Medicina) e aos CRMs (Conselhos Regionais) por estes se recusarem a fornecer registros a médicos estrangeiros cuja formação não tenha sido avaliada por eles, e, por intervenção do Judiciário acapachado, tem obrigado aos Conselhos a fornecer estes registros.

Pois bem; um desses"profissionais", o "médico" argentino  Juan Pablo Cazajus cometeu um erro médico que poderia ter levado o paciente à morte ao receitar o antibiótico AZITROMICINA, em dose 300% superior a recomendada, e, o que fez o Ministério da Saúde? Num primeiro momento, tentou negar que este médico fizesse parte do malfadado e contestado programa, conforme comprova o diálogo tido no Tweeter.

Acuado, o Ministério da Saúde publicou uma nota formal, e nela deixa à mostra a farsa que é esse programa.

Pelo programa, TODOS os médicos com "registro provisório" seriam OBRIGATORIAMENTE acompanhados por um "supervisor", mas, pela nota do MS descobriu-se que ISSO É MENTIRA; "Um médico supervisor vinculado ao programa foi encaminhado ao local para acompanhar e avaliar a atuação do profissional após comunicação ao Ministério da Saúde de prescrição de uma dose possivelmente inadequada de um antibiótico. A coordenação do Programa acompanha o caso.Alagoas Real - Materia completa

Por esse trecho da nota, percebe-se que este médico, muito embora sem ter sido avaliado pelos órgãos competentes, atuava de maneira autõnoma, e sem supervisão alguma.
  
Continuando o festival das mentiras mal contadas pelo Ministro Alexandre Padilha e sua trupe infame, o ministério da Saúde, que, ao impor aos Conselhos a concessão dos registros, tornou-se AVALISTA da real capacidade desses médicos, agora, covardemente, tenta desvincular-se disso ao declarar:  "Os médicos com registro no Brasil, inclusive os profissionais com registro provisório devido à participação no Mais Médicos, estão sujeitos à fiscalização estabelecida pelo Conselho Regional de Medicina em que estiver inscrito, conforme legislação aplicável."

Pelas normas do CFM e legislação aplicável, para usar os termos do MS, TODOS os profissionais formados no exterior são obrigados a prestar o REVALIDA para terem seus registros concedidos, e não é esse o caso desse médico, estando ele, portanto, sob responsabilidade ÚNICA E EXCLUSIVA do Ministério da Saúde.

 Continuando com o "Festival de Hipocrisia" tão comum ao Ministro Padilha e ao seu lulopetismo, o comunicado do MS tergiversa mais uma vez ao tentar jogar para o CFM a responsabilidade de punir IMPERÍCIAS MÉDICAS advindas de profissionais não testados que foram impostos ao brasileiro pelo governos lulopetistas com a seguinte declaração: "De acordo com o Código de Ética Médica, os médicos que cometerem faltas graves e cuja continuidade do exercício profissional constitua risco de danos irreparáveis ao paciente ou à sociedade poderão ter o exercício profissional suspenso mediante procedimento administrativo específico", e eu pergunto: procedimento específico DE QUEM, CARA PÁLIDA, se o próprio MINISTÉRIO DA SAÚDE desdenhou das boas práticas do CFM e subjugou seus poderes ao seu discurso canalha??
Punir os erros cometidos por profissionais com registro provisório é uma atribuição exclusiva de quem os considerou capazes; no caso, o MINISTÉRIO DA SAÚDE e, se este tiver um mínimo de honestidade, constatado o erro, a punição só pode ser a exclusão do programa, de maneira imediata.


 
Quando é que você, Alexandre Padilha, vai ter a hombridade de reconhecer que o problema do SUS é de FALTA DE gestão e estrutura, e não falta de médicos?

E, se faltam médicos, quando é que o lulopetismo vai respeitar o brasileiro, e, se importar profissionais de saúde, que estes tenham a sua capacidade aferida pelos responsáveis pela fiscalização do cumprimento das normas que norteiam a boa prática da medicina ....

(Este texto foi feito com base na matéria Publicada no Site "Alagoas Real" e em diálogos do Tweeter que tiveram a participação de 2 guerreiros da verdade, @pdevechi e @sokris, A eles, os meus agradecimentos)
 





2 comentários:

  1. Vão começar a desclassificar os médicos brasileiros para que aceitemos os erros dos médicos estrangeiros sem revalida! É assim o modus operandis do PT e sua troupe! Vão pipocar os erros médicos brasileiros para que a população se revoltem contra os médicos brasileiros, pois a falta de compreensão e interpretação do povão é de 75%. É muito fácil jogar uns contra os outros para ninguém perceber a incompetência do Programa Mais Médico e de seus idealizadores. Enquanto os médicos brasileiros respondem na Justiça brasileira pelos seus atos, os médicos cubanos serão levados às escondidas para a p.q.p. e não serão responsabilizados por seus erros. Seremos tratados por Escravos Brancos Médicos Cubanos, Argentinos e Venezuelanos e o mandatários deste País não serão responsabilizados por Crime contra a Jumanidade, como o Fernando Collor de Mello não foi e ainda por cima foi isentado de seus erros levando e vivendo nababescamente com o dinheiro desviado pelo PC. Estraordinário este País! Somos o Paraíso na Terra dos Criminosos!

    ResponderExcluir
  2. Sem entrar no mérito do programa, do governo, do que for... Médico brasileiro não erra?? Médico brasileiro não amputa perna errada, erra remédio, esquece objeto dentro, dá receita errada? Ora, Esse argumento é muito fraco...

    ResponderExcluir