sexta-feira, 29 de novembro de 2013

MIRUNA GENOINO DISSE "EU TENHO VERGONHA DO MEU PAÍS", EU RESPONDI.

"EU TENHO VERGONHA DO MEU PAÍS"

Essa foi a exclamação da filha de José Genoino, Miruna Genoino, quando soube que, pela segunda vez, médicos haviam desmontado a farsa armada pelo seu pai, pelo PT e por parte da imprensa para livrá-lo da cadeia.

Sabe, Miruna, eu também, mas por razões diversas, me envergonho do meu país.

Ao contrário de você, a razão da minha vergonha é ver ao que, facínoras como o seu pai, reduziram o meu país, e isso com a anuência de grande parte dos brasileiros, que, imersos na pior das pobrezas, a de espírito, trocaram sua dignidade e os seus votos por alguns míseros trocados do Bolsa Família.

Eu sinto vergonha do meu país ao ver a injustiça das filas quilométricas nos hospitais do SUS, enquanto que seu pai, um dos responsáveis pelo roubo do dinheiro destinado à Saúde é atendido nos melhores hospitais e pelos melhores médicos.

Eu sinto vergonha do meu país ao ver crianças morrendo de fome e sede, enquanto quem lhes roubou do direito de sonhar com uma vida melhor se revolta ao ter que beber água de torneira.

Eu tenho vergonha do meu país quando escuto uma notícia de prisão ou morte de jovens por tráfico ou uso de entorpecentes porque sei que quem os está matando encena uma farsa dantesca para se ver livre do mais que merecido castigo por UM dos crimes que cometeu.

Eu tenho vergonha do meu país, menina Miruna, quando vejo a sujeira que tomou conta de todas as instituições, da corrupção que grassa desvairada em todos os Poderes da República, e seu pai foi um dos principais agentes dessa degeneração institucional.

Eu tenho vergonha do meu país quando percebo que a falta de memória e as distorções da história, transformaram assassinos  em vítimas de uma ditadura, que muito embora tenha cometido seus erros visava apenas livrar o país do infortúnio de uma ditadura comunista.

E tenho mais vergonha ainda, quando esses assassinos se auto intitularam Heróis da Causa, e se tornam os "mocinhos" de uma guerra que só existiu para que fosse possível preservar a liberdade e o direito que você e eu temos hoje de dizer que nos envergonhamos do país em que vivemos sem que sejamos encarcerados nos gulags soviéticos ou mansardas cubanas.

Me envergonho sim, do Brasil Vermelho, formado por exércitos de famintos e ignorantes; do Brasil de mentiras e roubos "ideológicos", dos atentados às liberdades democráticas e da prostituição da dignidade do homem e das instituições, e é esse o legado que seu pai e o PT querem nos deixar.
 Do meu Brasil Verde e Amarelo, formado por gente honesta, trabalhadora, amante e respeitadora das liberdades democráticas, e, sobretudo por gente que não aceita esmolas de quem quer que seja, EU TENHO O MAIOR ORGULHO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário