segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

O HOMEM PAPA - A VISÃO DE UM ATEU

Engana-se redondamente aqueles que imaginam que o Vaticano, um país independente de apenas 44 km2, é um amontoado de padres, bispos e cardeais que vivem a rezar e cantar hosanas, e que o papa é o regente desse coro celestial.

O papa é o chefe de um Estado que tem a responsabilidade de administrar uma população de quase 1 bilhão de pessoas, distribuídas pelos 5 continentes, com visões heterogêneas das coisas da religião.

Some-se a isso a responsabilidade de administrar um patrimônio incalculável, também espalhado pelo mundo todo e uma fortuna maior que o PIB de muitos países, também diluída no mercado financeiro e acionário, sendo que a grande maioria desses interesses são conflitantes com o que prega a Igreja e você verá que o papa tem que ser um homem de ação, ao mesmo tempo em que finge pastorear almas.

Quem imagina o papa como sendo um velhinho que foi escolhido pela sua bondade e religiosidade não imagina a têmpera em que esses homens são forjados. 

São 180 cardeais espalhados pelo mundo, vivendo problemas administrativos de chefes de estado, como guerras internas, intrigas políticas, desarranjos morais e financeiros dentro de suas regiões, tendo que fazer os acordos mais inortodoxos para levar a bom tempo suas missões, e são estes os homens que se reunirão em Conclave para escolher quem será o próximo administrador supremo dessa Urbe. 

Supõem-se que o melhor deles seja o escolhido, o "Primo Inter Pares", o Primeiro Entre Iguais, mas, quais características diferenciariam um homem dentre homens tão iguais?

O astuciosíssimo Joseph Ratzinger já deu a pista do que deverá ocorrer e quais serão os diferenciais que esse homem deverá ter ao criticar abertamente o "Concílio do Vaticano" e destaco uma frase:
  A hermenêutica da descontinuidade arrisca-se a acabar numa ruptura entre a Igreja pré conciliar e pós conciliar".  ou seja, nada de progressismos e esquerdismos, como forma de fazer  crescer a Igreja, pois isso representa um risco de uma ruptura interna insanável no seio da Santa Sé.

Nada de tentar adaptar a Igreja aos novos tempos, como se ela dependesse de modismos para a sua sobrevivência, e sim preservar a Igreja como forma de fé e não de modismos.

Talvez tenha sido esta a razão do seu suposto afastamento da América Latina, hoje, quase que totalmente tomada por bispos e cardeais equerdopatas e progressistas. 

Alea Jacta Est ... A sorte está lançada; agora é aguardar que a fumaça branca saia pelas chaminés da Capela Sistina. 

 



Nenhum comentário:

Postar um comentário