domingo, 22 de abril de 2012

O QUE SAIU ERRADO NA AVENIDA PAULISTA, OU, ONDE FORAM PARAR OS POLÍTICOS DA OPOSIÇÃO?

As manifestações de 21 de abril que aconteceram em todo Brasil mostraram algumas coisas interessantes e ao mesmo tempo preocupantes.


Muito embora a corrupção galopante que grassa pelo país, ela não é o maior problema; ela é parte de um plano maior do lulo-petismo, o de perpetuar-se no poder, implantando no Brasil um regime ditatorial, mesmo que travestido de democrático, porém, essa ameaça foi ignorada, sendo que o seu foco ficou restrito ao julgamento do mensalão e o episódio Demóstenes Torres / Carlinhos Cachoeira, e isto foi, de uma certa forma, pautado pela imprensa.


Também é motivo de preocupação a ausência de políticos e partidos da "oposição" nessas manifestações, que, muito embora tivessem sido organizadas nas redes sociais, eles também deveriam fazer parte, ou pelo menos dar seus apoios a uma luta, que supostamente também é deles.


Porém, foi em São Paulo que isso se constatou a maior discrepância, 


Sem  uma liderança serena e efetiva, a manifestação descambou para a baderna, obrigando a Policia Militar a intervir, evitando que vândalos fechassem a Avenida Paulista nos seus dois sentidos,


 A Paulista, mesmo num sábado de frio e feriado tem uma importância enorme, pois ela é via de acesso a onze dos maiores hospitais da cidade, além de que, fechar uma via pública é um desrespeito ao direito de ir e vir, direito este garantido pela constituição. 
Este procedimento é próprio do lulo-petismo, jamais de quem pretende clamar pela manutenção da Democracia.


A ação policial que se seguiu incluiu bombas de efeito moral, balas de borracha, pancadaria e prisões, um jeito melancólico de se terminar uma manifestação que deveria ter sido pacífica e ordeira, o que nos faz suspeitar que isso tudo não aconteceu por acaso.


Existe um interesse enorme do lulo-petismo  em galgar a prefeitura paulistana, porém o seu candidato não consegue passar dos míseros 3% nas pesquisas de intenção de voto, o que vai fazer com que lancem  mão de quaisquer meios para atingir os atuais governantes, e, o que seria melhor do que esse final para um movimento, que é composto basicamente por gente que rejeita o lulo-petismo e, por conseguinte a corrupção que o acompanha? Uma chance ímpar de desacreditar o governo paulista e a sua polícia junto ao público que os apoia ... quem perderia?


Movimentos como este de ontem, pela sua característica espontânea são facilmente manobráveis, bastando infiltrar alguns agitadores entre os ponteiros, e estes irão influir no comportamento do resto da turba, e, como é sobejamente sabido, as redes sociais estão coalhadas de lulo-petistas infiltrados, e agitadores é o que não lhes falta.



Bingo !!! Não se passaram 10 minutos e a notícia já estava na internet, e todas elas criticando o tratamento anti-democrático da polícia paulista, e, por conseguinte, o seu governo.


Eu jamais vi com bons olhos qualquer tipo de manifestação na Av. Paulista, não só pelo seu movimento em todos os dias da semana, mas, principalmente por ser rota de acesso aos maiores hospitais de São Paulo, porém, o que me intriga é que manifestações de sem teto, sem terra, professores grevistas, ciclistas nus etc não mereceram o mesmo tratamento que o 
dado no dia de ontem aos que se manifestavam contra a corrução.


Mas ficaram algumas lições:


A primeira delas é que não interessa nem ao lulo-petismo e nem a ninguém da "oposição o combate à corrupção, o que faz de nós, contribuintes e cidadãos indignados com esse estado de coisas, a única e verdadeira OPOSIÇÃO, e por isso, temos que nos organizar para que o que ocorreu ontem, nunca mais ocorra.


A segunda é que o desrespeito à constituição só interessa aos lulo-petistas, portanto temos que estar atentos para nunca mais desrespeita-la quando em manifestações.


A terceira e mais importante é que nós podemos sim, nos organizar e com isso fazer frente ao lulo-petismo corrupto. 


MUITO OBRIGADO POVO ... O BRASIL DECENTE AGRADECE A PRESENÇA DE VOCÊS.




















Nenhum comentário:

Postar um comentário